PF inicia investigação por difamação contra deputada Luana Costa

Deputada Luana Costa e deputado Carlos Marun

Polícia Federal poderá vir a Santa Inês apurar de onde partiu a publicação da suposta conversa em aplicativo de celular

 

Ao tomar conhecimento da circulação da ‘montagem de WhatsApp’ que mostra conversas difamatórias à sua pessoa, a deputada federal Luana Costa entregou ofício ao procurador-geral da Câmara, deputado federal Carlos Marun, nesta quinta-feira (30), com pedido de investigação à Polícia Federal para apurar autoria e materialidade de crimes de falsidade em rede social contra a parlamentar.

Marun vai pessoalmente na próxima quarta-feira (6/12) reforçar o pedido ao diretor-geral da Polícia Federal, delegado Fernando Segovia, de abertura de inquérito para desmascarar a quadrilha de criminosos que utiliza o aplicativo do WhatsApp com objetivo de desqualificar e difamar a atuação politica da deputada federal Luana Costa (PSB/MA), no exercício de seu mandato.

“É um absurdo que pessoas inescrupulosas e mal-intencionadas se utilizem da rede social para agredir uma parlamentar que vem realizando um grande trabalho aqui na Câmara dos Deputados. Nós vamos até às últimas consequências para buscar identificação e punição desses deliquentes”, disse Marun.

Vale lembrar que agressão pela internet, como essa sofrida pela deputada, é passível de punições severas, usando como base a Lei Carolina Dieckmann (Lei 12.737/2012) que prevê sanções por invasão de dispositivo informático alheio; Interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública; e Falsificação de documento particular/cartão.

A pena para esses tipos de crimes pode levar à reclusão de um a cinco anos e multa.

O QUE DIZ A DEPUTADA

Em contato com a imprensa, a deputada foi contundente e disse que vai até as últimas consequências para desmascarar essas pessoas maldosas, que, segundo ela, além do WhatsApp usam também o facebook para tentar desconstruir a idoneidade dela e de seu esposo.

“Tomei iniciativa de buscar o meio legal para coibir esse episódio que aconteceu, supostamente partido de Santa Inês. A gente tem acompanhado uma forma abusada e desrespeitosa nas redes sociais para denegrir a imagem minha e de meu esposo Ribamar. Acreditamos que estamos sendo vítimas de um grupo de pessoas que tem se utilizado desses artifícios para nos difamar. A partir de agora não abro mão e todas as vezes que postarem inverdades e algo que possa comprometer minha honra e não seja verdadeiro tomarei medidas drásticas. Vou às polícias Federal e estaduais em busca dos meus direitos. Acredito que política política se faz com construção de ações boas. Já estive na Procuradoria Parlamentar e estarei na Polícia Federal. A partir de agora não vai haver mais nenhuma postagem contra mim que não seja questionada e a que a pessoa vai ter que comprovar. Se tiver algum adversário político que fazer algum questionamento, algum comentário, tá liberado, faz parte da democracia. Agora usar fakes, como fizeram na gestão do prefeito Ribamar, fazer ações dessa política rasteira, não vou aceitar”, desabafou a deputada.